Prédio que deveria abrigar Laboratório Central está abandonado no Centro de São Luís

Em janeiro deste ano, o prefeito Eduardo Braide (PSD) publicou em suas redes sociais um vídeo no qual afirmava que entregaria “nos próximos dias” um novo prédio onde funcionaria o Laboratório Central do Município (Lacem) de São Luís.

O edifício Dr. Orlando Araújo, localizado na Rua do Outeiro, no centro da capital, concentraria grande parte dos exames laboratoriais realizados pela rede de saúde pública municipal, de acordo com o prefeito.

“Vamos poder realizar mais exames e entregar resultados mais rápidos também para vocês”, afirmou o prefeito na época, ao lado do diretor do Lacem, Luiz Fernando Ramos Ferreira, que também dirigiu o Laboratório Central do Estado (Lacen) durante o governo de Flávio Dino.

Quase sete meses depois, o prédio permanece fechado e já apresenta sinais do tempo, como infiltrações nas paredes. Pessoas que frequentam os arredores do local confirmam que o edifício nunca foi aberto ao público e que a movimentação é escassa. Não há nem mesmo um serviço de vigilância no local.

A única explicação que se pode deduzir é que Braide está aguardando a proximidade do período eleitoral para transformar a entrega em palanque político, assim como tentou fazer com os ônibus escolares parados em um terreno da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e que foram entregues na última semana, após forte pressão da Câmara Municipal.

No entanto, o descaso de Braide neste caso específico coloca em risco a vida dos ludovicenses.

Uma das consequências ocorreu na última semana, quando veio a público a denúncia de que exames vencidos estavam sendo oferecidos pelo Lacem instalado na Unidade Mista do Bequimão. O paciente que recebeu um falso positivo para HIV percebeu, após o choque com o resultado, que foi testado com lotes vencidos em agosto do ano passado. A prefeitura confirmou o “equívoco” após a repercussão do caso.

Deixe uma resposta