Experiência e habilidade política de Roberto Rocha impõem dura derrota a Flávio Dino

O ex-governador Flávio Dino tinha um sonho: disputar o Senado Federal no pleito de outubro sendo o único postulante de uma ampla frente de concorrentes ao Governo do Estado. Isso garantiria ao ególatra comuno-socialista um voo tranquilo para seu projeto personalista: se eleger senador, depois se tornar ministro em um eventual Governo Lula e, por fim, ser indicado a uma das vagas que se abrirão no STF.

Porém, a postura desagregadora – do próprio e das principais figuras que o cercam – terminaram por transformar o sonho em pesadelo. Um a um, aliados importantes foram cerceados e obrigados a bater em retirada, simplesmente por não dizerem “amém” a tudo aquilo que era imposto por Dino.

Agora, veio o golpe de misericórdia: em coletiva de imprensa, nesta segunda-feira (2), com a presença de representantes das pré-candidaturas ao Palácio dos Leões de Edivaldo Holanda Júnior (PSD), Josimar de Maranhãozinho (PL), Lahesio Bonfim (PSC) e Weverton (PDT), além de partidos que orbitam em torno destas, como Republicanos, Agir36 e PROS, Roberto Rocha (PTB) anunciou que disputará a reeleição ao Senado Federal.

Além disso, veio o anúncio do apoio da ampla frente citada acima. Em paralelo ao projeto estadual de cada um, estas forças políticas de diferentes grandezas se unem em torno de uma candidatura única ao Senado Federal. Uma derrota que será difícil de digerir para quem possui uma realeza inteira na barriga.

Deixe uma resposta